(14) 3407-8000 | (14) 98165-9435 | (14) 99850-1460 | (14) 99770-8001

Postado em 04/01/2022

ANÁLISE QUÍMICA DO SOLO: PARTE I - ACIDEZ ATIVA, ACIDEZ TROCÁVEL E ACIDEZ POTENCIAL

Victor Antonio Moutinho Sgarbi

Aluno de Agronomia

Prof. Dra. Isabô Melina Pascoaloto

Coordenadora do Curso de Agronomia

 

Para que serve uma análise química de solo?

A análise química de solo tem como principal objetivo, definir a fertilidade de um determinado solo analisado a partir de valores de saturações, acidez, nutrientes entre outros parâmetros. Sendo assim, após a interpretação desses resultados, determina-se as quantidades de calcário e adubos a serem aplicados a fim de atingir a maior produtividade na cultura a ser manejada naquele talhão.

 

UNIDADES UTILIZADAS NO RESULTADO DA ANÁLISE DE SOLO.

 

Equivale a concentração hidrogeniônica na solução do solo. Quanto maior a quantidade de íons H+ na solução do solo, menor o pH e mais ácido é o solo.

A escala utilizada para medir acidez ativa varia de 0 a 14. Valores de pH abaixo de 4,4 são classificados como Acidez ativa muito alta, entre 4,4 e 5,0 como alta, entre 5,1 e 5,5 como média, entre 5,6 e 6,0 como baixa e acima de 6,0 como muito baixa.

O pH ideal para a maioria das culturas no Brasil se localiza entre 5,5 e 6,5. Valores abaixo de 5,5 resultam em íons de alumínio no solo. Em solos com valores de pH acima de 5,5 o alumínio encontra-se precipitado e não disponível para as plantas.

 

A acidez trocável é representada pelo alumínio (Al3+). A presença de íons de alumínio no solo pode acabar inibindo o crescimento radicular e influenciar negativamente na disponibilidade de outros nutrientes e processos do solo.

Grandes quantidades de Al3+ no solo reduz a saturação por base (V%) e eleva a saturação por alumínio (m%). Saturação por alumínio alta faz com que a planta absorva Al no lugar do Ca, o que resulta na produção de carbonato de alumínio em vez de carbonato de cálcio (constituinte da parede celular), essa troca faz com que a raiz não fique rígida e não se ramifique.

A correção de solo com alto teor de íons de alumínio é feita a partir da calagem (processo de aplicação de calcário), o calcário por sua vez eleva o pH e neutraliza o Al3+, tornando-o inofensivo para a planta.

Teores de Al3+ abaixo de 0,50 cmolc/dm3 são considerados baixos e acima de 1,01 cmolc/dm3 são considerados altos.

 

A Acidez Potencial é representada pela somatória de íons de hidrogênio (H+) e íons de Alumínio (Al3+). É utilizada para cálculo da Capacidade de Troca Catiônica do Solo (CTC). A CTC é uma variável importante pois é utilizado no cálculo de necessidade de calagem. Valores de H + Al abaixo de 2,50 cmolc/dm3 são considerados baixos e acima de 5,01 cmolc/dm3 são considerados altos.

 

-------------------------------------------------------------------------

No curso de Agronomia a Análise Química do Solo é estudada nas disciplinas de Fertilidade do Solo e Adubação e Nutrição de Plantas. Na FAEF o estudante aprende também na prática em nosso Laboratório de Solos e Nutrição Vegetal e em nossas 4 Fazendas Escola, Nova FAEF I, Nova FAEF II, Coração da Terra e Alvorada.

 

A FAEF Garça está localizada à Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, Km 420.

Horário de atendimento da Faculdade FAEF:

Segunda às sextas-feiras: das 8h às 22h

Sábados: das 8h às 16h

 

Coordenação do curso de Agronomia

Prof. Dra. Isabô Melina Pascoaloto

Contato: (18) 98135-3512

e-mail: agronomia@faef.br

 

Núcleo de Vestibular FAEF- NUVEST

Contato: (14) 3407-8000

WhatsApp (14) 99770-8001 ou (14) 98165-9435

e-mail: vestibular@faef.br

FAEF FAIT FAIP Eduvale

Fale Conosco

(14) 3407-8000 | (14) 98165-9435 | (14) 99850-1460 | (14) 99770-8001
Copyright © 2022 GRUPO FAEF. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Luis Guilherme