(14) 3407-8000 | (14) 98165-9435 | (14) 99850-1460 | (14) 99770-8001

Postado em 31/08/2021

IMPACTOS DO BULLYING NA ATUALIDADE

Para falar sobre bullying precisamos considerar inicialmente que ele não escolhe instituição de ensino, não escolhe condição social, cor, gênero. Ele acontece em todas as escolas, sejam elas públicas ou privadas, acontece com crianças pequenas, com adolescentes, jovens e até mesmo com adultos em seus respectivos ambientes de trabalho.

Uma vez que temos esse entendimento, podemos então perceber que toda e qualquer pessoa pode, com maior ou menor intensidade, passar por situações de bullying ou cyberbullying. Para termos uma definição mais clara se já passamos por isso ou se um aluno ou familiar já passou, precisamos considerar o que significa o bullying.

Podemos dizer que ele é marcado pela junção de alguns aspectos, sendo pela intencionalidade, pelos comportamentos agressivos e repetitivos realizados por um indivíduo ou um grupo contra outro, através de agressões verbais ou físicas, numa relação desigual de poder, ou seja, a vítima não tem a possibilidade de se defender devido a uma limitação física ou intelectual e essa violência lhe causa real sofrimento.

De quais formas podemos observar o desenvolvimento do bullying? Ele pode ser observado na violência em desenhos, bilhetinhos, gestos ou atitudes que buscam sempre humilhar a vítima.

Com as escolas fechadas desde março de 2020, com o início do distanciamento social em decorrência da Covid-19, essas ações diminuíram, mas não foram excluídas. Elas apenas passaram a ser desenvolvidas em um cenário diferente e talvez, podemos dizer, ainda mais perigoso em função de passar a falsa impressão de ser um local sem a observação de um adulto, inclusive pelas possibilidades de manipulação de imagens através dos aplicativos existentes, assim como pela rapidez da divulgação e pulverização dessas ações. Estamos falando do cyberbullying, o bullying desenvolvido na internet.

Independentemente da forma, física ou virtual, as implicações na atualidade são devastadoras. Estudos científicos alertam que adolescentes entre 12 e 15 anos que sofrem bullying na escola apresentam risco até três vezes maior de tentar o suicídio. Além disso, aqueles que passam por essas violências tendem a desenvolver marcas profundas em suas vidas, prejudicando-a em diversos aspectos como as emoções, a alimentação, a autoestima, o bem-estar, o rendimento escolar, a socialização, dentre outros.

Agora que já sabemos sobre as implicações, precisamos pensar nas possibilidades. Diante desse cenário, como profissionais, quais ações podemos indicar para as escolas e famílias?

  1. Precisamos reconhecer a existência do Bullying e do Cyberbullying: negar essa violência só irá atrapalhar nosso caminho;
  2. Com urgência, devemos informar nossos alunos e filhos sobre a situação, oferecendo informações reais e adequadas à faixa-etária para que eles entendam o que é;
  3. Precisamos instrumentalizar todos os envolvidos nesses espaços. Destacamos aqui uma ação: cursos sobre desenvolvimento de habilidades socioemocionais para crianças, adolescentes, pais e educadores, para que eles conheçam ferramentas para se protegerem em situações reais;
  4. Prevenção: essa é a palavra-chave! Podemos trazer essas questões para momentos em família; podemos desenvolver projetos sistemáticos na escola, a serem trabalhados ao longo do ano letivo; podemos prevenir essa violência de várias formas, através de bate papos, ludicidade etc.
  5. Em caso de bullying ou cyberbullying já instaurado ou em desenvolvimento, precisamos acionar profissionais e autoridades responsáveis. Não podemos deixar de dizer que essa prática é crime e, sim, pessoas podem e devem ser penalizadas por essa violência.

Considerando essas ações, podemos enfrentar essa realidade somando forças de todas as famílias e instituições, aliás, de toda a sociedade, para propormos sempre ações educacionais preventivas, de modo a impactar toda a comunidade. Não precisamos esperar uma data para reforçar a necessidade de desenvolver habilidades emocionais para lidarmos com essas questões e auxiliarmos na formação de uma sociedade mais justa, igualitária e harmoniosa.

Dra. Maewa Martina

Docente do curso de Pedagogia

Doutora e Mestre em Educação. Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional e Atendimento Educacional Especializado.

 

Endereço: Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros – Km 420 - Estrada de Acesso à Garça/SP – Km 1, CEP – 17.408.899, Caixa Postal nº 61

Horário de Funcionamento: 

Contato: (14) 3407-8000

Núcleo de Vestibular FAEF- NUVEST

Contato: (14) 3407-8000 e whatsApp (14) 99770-8001 ou (14) 98165-9435

e-Mail: vestibular@faef.br

Horário:

 

FAEF FAIT FAIP Eduvale

Newsletter

Receba informativos e novidades em seu email


Fale Conosco

(14) 3407-8000 | (14) 98165-9435 | (14) 99850-1460 | (14) 99770-8001
Copyright © 2021 GRUPO FAEF. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Nutic FAEF