(14) 3407-8000 | (14) 98165-9435 | (14) 99850-1460 | (14) 99770-8001

Postado em 29/06/2021

OS ACUMULADORES DE ANIMAIS

OS ACUMULADORES DE ANIMAIS

Profa. Me. Luciana Aparecida Lima-  Psicóloga, professora e coordenadora do curso de Psicologia – FAEF – Garça – SP – psicologia@faef.br

 

     Os acumuladores de objetos, coisas e animais, se caracterizam por uma síndrome de Diógenes, quando o indivíduo sai dos padrões sociais, de terem somente o necessário, e iniciam o acúmulo. O acumulador ao obter o excesso de objeto ou animais, passa ter um comportamento observado como um descuido pessoal e de moradia, pois o espaço fica reduzido para “acomodar” tudo aquilo que ele/ela acredita ser importante, ou seja, tudo. A ideia ou o pensamento sobre as condições de ofertar um lugar seguro, com boa ventilação, organizado e higienizado podem dificultar ao longo do tempo, e se tornar progressivo, acarretando problemas pessoais, como convívio com outras pessoas; provocando distanciamento dos parentes ou pessoas mais próximas. Além, das questões de saúde e higiene.

     O medo de dispor das coisas, também chamado de Disposofobia, consiste em um transtorno comportamental que consiste em acumular qualquer tipo de entulho. Não podemos confundir com pessoas que tem o ato de colecionar algum objeto e ou raça de animal como hobbie; pois o colecionador é organizado e não perde o controle dos cuidados.  As pessoas disposofobicas juntam objetos ou animais por ter a crença que estão sendo eficientes e fazendo o bem, sem adequar as suas condições socioeconômicas e biopsicossocial.      Observa-se que o comportamento de acumulação é compulsivo e age na impulsividade, sem raciocinar e pode gerar prejuízo emocional, emocional, social, financeiro, físico e até mesmo ser legalizado (tratamos da vigilância sanitária). Entende-se que o acúmulo de animais possa ter um comportamento disposofibico, ou seja, associado à depressão, a carência, ao medo, e a fragilidade emocional. E geralmente apresentam a manifestação destes comportamentos em pessoas que tem o Transtorno Obsessivo Compulsivo – TOC, que identifica um comportamento exacerbado em repetir uma ação várias vezes.

     Hoarding ou acumulação de animais leva uma pessoa a ter cada vez animais em sua casa, e faz de tudo para mantê-los, como por exemplo, se alguém deixa um animal em sua porta, gerando um problema multifatorial e interdisciplinar de saúde pública (Arluke et al., 2002); pois não tem os padrões mínimos de cuidados e o ambiente fica insalubre. Considerando que no Brasil são raras, ou inexistentes, as agências oficiais destinadas a garantir o bem estar dos animais, esta demanda acaba recaindo sobre os órgãos de controle de zoonoses, geralmente ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS). O espaço e/ou moradia da(o) acumulada(o)r fica cada vez menor e insuficiente para uma ventilação e arejamento do ambiente, sem falar das fezes, urina, cadáveres e restos de alimentos, e, inexistente frequência de banho, vacinas, remédios para doenças.

     As pessoas que acumulam animais passam a acreditar que tem uma missão especial de ficar com estes animais, falam (crença não real) que está salvando-os e não deve abandoná-los.  Também podem insistir que estes animais estão saudáveis e bem cuidados, mesmo em meio a um cenário que mostra claramente o contrário.

     Para o tratamento de um(a) acumulado(a)r de animais é preciso de uma ajuda profissional psicológica, em primeiro lugar para resgatar a história desta pessoa, auxiliá-la em seu entendimento sobre seu comportamento excessivo e, posteriormente sua reinserção social, desde a família sendo um componente importantíssimo e pessoas próximas.

     Um profissional que também auxiliará o (a) acumulado (a)r é o médico veterinário. O estudante de medicina veterinária, em sua fase acadêmica é relevante abordar este tema, pois a questão é ter a informação e a orientação sobre os aspectos do trabalho médico além da acumulação. Para acrescentar na formação dos discentes em questões complexas, far-se-á a tríade de ensino, ou seja, ensino, pesquisa e extensão.  Em formação permanente o trabalho interdisciplinar e multiprofissional torna-se importantíssimo para a atualidade e temas voltados a sociedade e a academia.
 

Por Psicóloga Mestra Luciana Aparecida Lima
Docente e Coordenadora do curso de Psicologia

E-mail: psicologia@faef.br

Contato: (14) 3407-8000 ou (14) 99850-1460

 

Veja mais:

-Acumuladores Compulsivos: Linda e Kerry. Disponível em: https://www.dailymotion.com/video/x7v9tc9

-Acumuladores Compulsivos Jackie e Richard. Disponível em:

https://www.dailymotion.com/video/x5e5peu

-Acumuladora tem 15 cachorros e 9 gatos na sujeira! - parte 1 | acumuladores compulsivos A&E. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=NbEs2Loj1nw

- Hoarding of Animals Research Consortium da Cummings School of Veterinary Medicine da Tufts University, em Massachusets nos EUA. . Disponível em: https://vet.tufts.edu/hoarding/

- Arluke, A. Frost, R.O.; Luke, C., et al. Hoarding of Animal Research Consortium. Health Implications of Animal Hoarding. Health Soc Work, 2002; 27(2): 125- 137.

 

Clínica Escola de Psicologia e Pesquisa Aplicada (CEPPA)

Agendamentos: (14) 3407-8000 ramal 8035 ou WhatsApp (14) 99669-9603

Endereço: Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros – Km 420 - Estrada de Acesso à Garça/SP – Km 1, CEP – 17.408.899, Caixa Postal nº 61

Horário de Funcionamento: 

 

Núcleo de Vestibular FAEF- NUVEST

Contato: (14) 3407-8000 e whatsApp (14) 99770-8001 ou (14) 98165-9435

e-Mail: vestibular@faef.br

 

Horário:

 

 

FAEF FAIT FAIP Eduvale

Newsletter

Receba informativos e novidades em seu email


Fale Conosco

(14) 3407-8000 | (14) 98165-9435 | (14) 99850-1460 | (14) 99770-8001
Copyright © 2021 GRUPO FAEF. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Nutic FAEF